01_Maquete-Biblioteca-em-Carnide.jpg
02_Maquete-Biblioteca-em-Carnide.jpg
03_Maquete-Biblioteca-em-Carnide.jpg
04_Maquete-Biblioteca-em-Carnide.jpg
05_Maquete-Biblioteca-em-Carnide.jpg

BIBLIOTECA EM Carnide

“A presença de certas obras provoca em mim algo misterioso. Parecem simplesmente estar lá. Uma pessoa não lhes dá nenhuma atenção especial. E, no entanto, é quase impossível imaginar o lugar onde estão sem elas. Estas obras parecem estar firmemente ancoradas ao chão. Funcionam como parte integrante do seu espaço envolvente e parecem dizer: Eu sou tal como tu me vês e daqui faço parte.”

O arquitecto suíço Peter Zumthor, galardoado com o Pritzker em 2009, deixa, particularmente neste excerto, uma forte ideia da importância que é o espaço envolvente num projecto de arquitectura. Esta preocupação foi acompanhando todo o decorrer do projecto, uma vez que os edifícios envolventes tinham um carácter muito forte e assumido que iriam certamente ter efeito no desenho da biblioteca.

Estudou-se o local e imediatamente se tornou clara a presença possante da Igreja da Luz. De tal forma formularam-se duas hipóteses para o rumo do projecto. Sendo a Igreja da Luz um ícone demarcado do local, a primeira hipótese seria a criação de um edifício também forte e assumido que oferecesse um pólo igualmente “poderoso”. Por outro lado gera-se também a hipótese de criar um edifício mais sóbrio que não interferisse na solidez da Igreja.

Optou-se claramente pela primeira hipótese.

Também se deveria ter em consideração a existência “robusta” do edifício dos antigos alunos do colégio militar já que o plano urbanístico propunha um aumento de 2 pisos, e não esquecendo o facto de estar em contacto físico com o local de intervenção.

O grande desafio inicial foi incorporar a biblioteca da melhor forma na grande praça que se desenvolvia a sul, e que seria paralela ao Largo Teixeira Rebello.

A partir da fachada da Igreja da luz definiu-se um alinhamento até à zona de intervenção onde se forma um espaço que vai rematar este grande “corredor”.

No exercício de grupo, definiu-se que se recortariam volumes correspondendo a caminhos de antepassados históricos pelos edifícios da nova urbanização. A zona de intervenção seria recortada por um desses caminhos, e tirou-se partido desse facto para se enquadrar a Igreja da Luz numa “moldura” que remete a importância de uma realidade histórica icónica da zona de Carnide.